Апистограмма ассурини (apistogramma sp. «assurini»): описание и фото

Апистограмма ассурини (apistogramma sp. «assurini»): описание и фото

Здесь выборочно представлены фотографии представителей семейства карликовых цихлид рода Апистограмма (Apistogramma) и Папилиохромис (Papiliochromis), сделанные в аквариумах на базе Aquarium Glaser.
Профессиональные рекламные фото сделаны Франком Шефером на специальном оборудовании.
Приношу извинения за качество своих фото, но условия съёмки не позволяют добиться лучшего результата.
Указанные коды перед видовым названием рыб соответствуют кодам в прайс-листе Aquarium Glaser.

Более подробно об Апистограммах можно узнать здесь:

Род Apistogramma

Н О В О С Т И

Поставка рыбок из Германии в начале Декабря!

Поставка
эксклюзивных
кораллов, рыб и б/п
от GMP в Декабре!

Живые Камни Премиум-класса

Поставка редких рыб
от Aqua.Monsters

Поставка формируется!

Поставка Золотых рыбок Экстра- класса !
Подробнее:

Живой Фито- и Зоопланктон!

Помпы Aquatum
Отличное качество и функциональность!

Морские рыбы и Б/П
в наличии
на аквариальной базе на 25/10/2021

Скалярии в наличии на базе!

Соль в наличии!

Величественный
Red Mammon!
На выбор по фото!

Эта удиви тельная Барамунди!

Большеротый Басс
– мечта рыбака!

Здесь разводят
Кинг-Конгов!

Элитные Японские Карпы Кои!

Спецмешки для упаковки крупных рыб!

На партнёр – компания АкваРемСервис

Все интернет-магазины рыб и аквариумов

Апистограмма Ассурини

Четыре невзрачных рыбки дикого вылова под названием Apistogramma sp. “Assurini”, мне удалось раздобыть в середине 2011 года. Их размер был всего около двух сантиметров. По окраске брюшных плавников можно было предположить, что это три самки и самец. Скромный мышиный цвет рыбок не сильно огорчил меня, я уже знал, что апистограммы этого комплекса (у меня уже были A. tucurui и A. rubrolineata ) окрашиваются сравнительно поздно — в возрасте 9-12 месяцев, после 3-4 нерестов.

Пятнистохвостый коридорас (Corydoras caudimaculatus Rössel, 1961)

История этих рыб начинается в 1959 году, когда Харальд Шульц (Harald Schultz) обнаружил их в Бразилии, где они встречались как в основном русле реки Рио-Гуапоре, так и в многочисленных притоках и ручьях. Рыбы предпочитали полуоткрытые песчаные отмели, на которых держались стайками, насчитывающими до ста особей. В этом же году Шульц привез их в США, а вскоре они появились и в Великобритании. Научное описание вида в 1961 году сделал ихтиолог F. Rössel в журнале “Senckenbergiana biologica” и с тех пор этот очаровательный сомик называется Corydoras caudimaculatus Rössel, 1961, или, в вольном русском переводе, коридорас пятнистохвостый.

Фотографирование аквариума с бюджетным импульсным освещением

Иногда хочется сделать фотографию аквариума так, что-бы были хорошо видны обитатели аквариума, все нюансы оформления и т.п. Но часто сталкиваемся с недостатком освещения аквариума или обитателями, которые не хотят позировать фотографу на хорошо освещенных участках аквариума. Порой фотографию необходимо делать с короткой выдержкой из-за резвости аквариумного обитателя, или как сейчас принято писать «гидробионта».

Подводный камнепад или ленивый аквариум

Компания «Унитекс» организовала второй конкурс аквариумного дизайна DENNERLE Nano Cube® 2012 и я решил принять в нем участие. Конкурс предусматривает два этапа — отборочный тур и финал, который состоится 15-17 ноября в Москве. Правилами предусмотрено создать композицию в аквариуме DENNERLE с фильтром и светильником этого же производства. Я выбрал аквариум емкостью 30 л размерами 30х30х35 см. Во время начала конкурса предоставлялись скидки, но пока я решил участвовать в конкурсе, они закончились.

Создание сказки или мой домашний аквариум

Увлекаясь коллекционированием и выращиванием водных растений, я часто занимаюсь оформлением аквариумов. Иногда получаю заказы через зоомагазин и делаю домашние водоемы разным людям, также выступаю в различных конкурсах аквадизайна. Но собственного постоянно оформленного аквариума у меня очень долго не было. Конкурсные аквариумы быстро разбирались и переустраивались под другие композиции, а остальные все подсобные — для выращивания и размножения растений. И вот я решил придумать и сделать себе свой собственный домашний аквариум.

Публичные аквариумы мира: Констанц

Несколько часов на электричке и я на месте. Боденское озеро пресное, но похоже на море. Чайки, звуки порта, южная набережная. Немного дальше, за лесом из мачт виднеется аквариум “SeaLife”, ради которого этот день я проведу в швейцарско-немецком Констанце.

Страницы

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • следующая ›
  • последняя »
Аквариумы (89)
Аквариумная химия (150)
Аквариумный декор (522)
Аквариумные растения (0)
Инвентарь и расходники (116)
Корма для рыбок, раков и рептилий (138)
Компрессоры и комплектующие (176)
Освещение для аквариума (137)
Помпы, фильтры, наполнители (274)
Рыбки аквариумные (198)
Стерилизаторы (16)
Термонагреватели и термометры (79)

Сортировка: Показать: ALEAS CO2 diffuser

Aleas Автоматическая кормушка с дисплеем на 1-4 кормления

Aleas Аквариумный пылесос на батарейках

Aleas Аквариумный пылесос на батарейках AS-715

Aleas Активированный уголь 1000гр

Aleas Активированный уголь 150гр

Aleas Активированный уголь 300гр

Aleas Активированный уголь 500гр

Aleas Биокерамика 1000гр

Aleas Биокерамика 250гр

Aleas Биокерамика 500гр

Aleas Магнитный скребок для эффективной очистки стекол чёрный№1

Aleas Магнитный скребок для эффективной очистки стекол чёрный№2

Aleas Магнитный скребок для эффективной очистки стекол чёрный№3

Aleas Магнитный скребок плавающий№1

Aleas Магнитный скребок плавающий№2

Aleas Магнитный скребок плавающий№3

Aleas Магнитный скребок плавающий№4

Aleas Отсадник для рыб DF1516

Aleas Отсадник для рыб DF1526

Читайте также:
Апистограмма агассица (apistogramma agassizii): описание и фото

Показано с 1 по 20 из 1851 (всего 93 страниц)

У нас в магазине Вы найдете все необходимое для занятия аквариумистикой: аквариумы, аквариумное оборудование: фильтры, термонагреватели, лампы, аэраторы, стерилизаторы, грунты и аксессуары. Так же вы сможете приобрести у нас декорации: камни, коряги, изделия из керамики, искусственные и живые аквариумные растения. С помощью аквариумной химии вы сможете поддерживать нужные параметры воды, предотвращать и лечить болезни аквариумных жителей. Так же в продаже термоковрики и УФ лампы для террариума.

Так же у нас Вы сможете купить аквариумных рыбок, креветок, раков, крабов, земноводных и моллюсков.

В ассортименте аквариумное оборудование, аквариумы, черепашатники, инвентарь, аквариумные животные, аквариумные растения, корма для рыб, декорации, оптом и в розницу по доступным ценам в магазине по адресу г. Казань, ул. Спартаковская 88Б №1003.

Артикул: 420088 Средство для борьбы с водорослями в аквариуме (от «чёрная борода», «въетнамка» и др.) Подробнее Артикул: 420057 AQUA PURA — Кондиционер для подговтоки воды для аквариума из водопроводной. Подробнее Артикул: 420040 Феррум» (железо)- жидкое удобрение, содержащее в себе двухвалентное железо. Подробнее Артикул: 420071 Средство для борьбы с водорослями в аквариуме (от «чёрная борода», «въетнамка» и др.) Подробнее Артикул: 9013Ч Специальный черный силиконовый клей для аквариума. Подробнее Артикул: 9011Ч Специальный черный силиконовый клей для аквариума. Подробнее Артикул: 9013П Специальный бесцветный силиконовый клей для аквариума. Подробнее Артикул: 9011П Специальный бесцветный силиконовый клей для аквариума. Подробнее Артикул: 214673 Силиконовый клей 8 мл чёрный Подробнее Артикул: 214675 Силиконовый клей 60 мл чёрный Подробнее Артикул: 214671 Силиконовый клей 8 мл прозрачный Подробнее Артикул: 214599 Силиконовый клей 60 мл прозрачный Подробнее Артикул: 650935 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 16 см, V — 2,5 литра) Подробнее Артикул: 650928 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 14 см, V — 2,0 литра) Подробнее Артикул: 650454 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 10 см, V — 1,0 литра) с резинками Подробнее Артикул: 650409 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 24 см, V — 6,0 литра) Подробнее Артикул: 650416 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 22 см, V — 4,5 литра) Подробнее Артикул: 650973 Пакет для рыб п/эт (50/уп) Аква Меню- для перевозки рыбок (ширина — 18 см, V — 3,0 литра) Подробнее Артикул: 084900 Коврик под аквариум 1000х400мм Подробнее Артикул: a15355 Коврик под аквариум 900х350мм Подробнее Артикул: 084894 Коврик под аквариум 800х350мм Подробнее Артикул: 084887 Коврик под аквариум 700х350мм Подробнее Артикул: 084870 Коврик под аквариум 700х300мм Подробнее Артикул: 084863 Коврик под аквариум 600х300мм Подробнее Артикул: 084856 Коврик под аквариум 500х300мм Подробнее Артикул: 084917 Коврик под аквариум 1200х400мм Подробнее Артикул: 840026 Субстрат кокосовый Cocoland Absolut Plus в брикетах (7л) Подробнее Артикул: 840019 Субстрат кокосовый Cocoland Universal в брикетах Подробнее Артикул: 840033 Субстрат кокосовый Cocoland Universal в брикетах 4л Подробнее Артикул: 890607 Субстрат кокосовый Cocoland Universal в брикетах 7+1л Подробнее

Com explosão de casos de covid-19, indígenas do Pará recorrem a socorro de voluntários

Crédito, Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará

Em pouco mais de três semanas, no sudeste do Pará, o coronavírus já matou 22 indígenas, entre anciões, adultos, jovens e crianças nas últimas semanas, além de ter infectado pelo menos 638 outros integrantes de 12 povos.

Lideranças nas aldeias reclamam que não há estrutura suficiente para atender a essa população de pouco mais de 12 mil indivíduos nessa área do Estado.

Há uma crise que vem sendo acentuada pela falta de estrutura para o atendimento aos doentes e para a prevenção. O problema se agrava ainda mais com a escassez de alimentos em alguns locais.

  • ‘Me decepcionei com Bolsonaro’, diz indígena que integrou comitiva do presidente na ONU
  • Quem são os índios isolados do Pará que senador diz não existirem

O apoio a esses povos vem sendo promovido por um coletivo voluntário denominado Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará, formado por pesquisadores, indigenistas, missionários e militantes ligados à Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), à Universidade do Estado do Pará (UEPA), ao Instituto Federal do Pará (IFPA), ao Conselho Indigenista Missionário (Cimi), à Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), além de moradores da região.

Integrantes da Rede de Apoio avaliam que a proximidade das aldeias com as cidades de Marabá, São Domingos, Brejo Grande e São Geraldo do Araguaia, além da passagem intensa em rodovias nesse quadrilátero e ação de mineradores, fazem aumentar a vulnerabilidade dos povos indígenas.

Fim do Talvez também te interesse

As terras dos Aikewara Suruí, da Terra Indígena (TI) Sororó; dos Trocarpa, dos Assurini do Tocantins – Estado vizinho -, e dos Xikrin do Cateté são cortadas pela Transamazônica e pela BR-153 (Belém-Brasília), além de outras estradas regionais. As aldeias dos Gavião, na TI Mãe Maria, também são cortadas por rodovias, mas recebem impacto das linhas de transmissão da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, da Eletronorte, e da estrada de ferro Carajás, da mineradora Vale.

Читайте также:
Апистограмма абакаксис (apistogramma sp. "abacaxis"): описание и фото

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) tem demorado muito para fazer teste com a população que apresenta os sintomas da covid-19, alertam os voluntários.

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

A Prefeitura de Marabá realizou testes rápidos em algumas aldeias da região. Somente na TI Sororó, dos Aikewara, foram identificadas 134 pessoas com coronavírus, de um total de 211 testes. Enquanto a Sesai informa que no dia 15 de junho havia identificado somente oito casos de covid-19 na TI Sororó.

Levantamento organizado pela Rede de Apoio mostra que em pouco mais de três semanas – entre os dias 25 de maio e 18 de junho – os casos de infectados passaram de 44 para 638; e o número de óbitos, de quatro para 22.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) não divulga publicamente dados por terra indígena, mas apenas por Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs).

Procurados pela BBC News Brasil, integrantes da Sesai e DSEI nessa região não se pronunciaram.

A Funai limitou-se a informar por meio de nota que “tem reforçado as ações de prevenção ao contágio da covid-19 entre a população indígena no Estado do Pará. O trabalho é realizado em conjunto com a Sesai e órgãos locais”.

A nota acrescenta que a Funai tem promovido a permanência dos indígenas nas aldeias durante a pandemia, para evitar contágio e vem trabalhando “para garantir a segurança alimentar das comunidades em situação de vulnerabilidade social”.

Para isso, afirma ter entregado a famílias indígenas em todo Pará mais de 5 mil cestas de alimentos, e deverá distribuir outras 11 mil cestas nos próximos dias. Mas não informa quando.

Também distribuiu, segundo a nota, 4 mil kits de higiene e limpeza a comunidades indígenas em todo território paraense.

Subnotificação e dificuldade de reunir informações

Voluntários da Rede de Apoio reclamam da subnotificação dos casos e da dificuldade de compilar as informações e ter conhecimento do tamanho real do problema.

“A situação se torna ainda mais preocupante porque esses povos estão começando a sofrer com a falta de comida. A cultura indígena faz coleta de alimentos para consumo imediato. Os homens que proveem a tribo ou estão doentes ou estão cuidando de doentes, não conseguindo cultivar os alimentos”, explica o professor Airton dos Reis Pereira, da Unifesspa e integrante da Rede de Apoio.

“Soma-se a isso as pessoas debilitadas e com outras doenças para tornar a situação extremamente preocupante. Então fizemos um mutirão para levar cestas básicas a eles, complexos vitamínicos e outros medicamentos para atenuar o problema. Vidas indígenas importam.”

O povo Suruí Aikewara tem uma roça comunitária, implantada na aldeia mãe, a Sororó. Toda a produção é distribuída para as outras seis aldeias, menores.

Os indígenas estão focados no tratamento dos doentes, enquanto isso os roçados não produzem o suficiente para alimentar a todos, principalmente aos idosos e crianças. A caça e a pesca também estão prejudicadas.

Crédito, Eduardo Reina

Lideranças nas aldeias reclamam que não há estrutura suficiente para atender a população

Eles ocupam um território com apenas 26 mil hectares, demarcado em 1977 pela Funai. Essa área hoje é a única que resta com floresta em pé, numa região em processo de desertificação, resultante de intensos desmatamentos e destruição de nascentes no entorno, intensificado nas últimas duas décadas.

“Habitualmente os povos indígenas não acumulam alimentos, sabendo que poderão ir à floresta ou ao roçado para buscá-los novamente no dia seguinte. A epidemia malogrou essa rotina, pois agora muitos, adoentados ou cuidando de pessoas doentes, perecem já que não têm como se alimentar do modo costumeiro”, explica a antropóloga Edilene Coffaci, estudiosa de povos indígenas e professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Falta de recursos contra a pandemia

Os Aikewara, Assurini, Amanaé, Mebengokê Kayapó e Xikrin, onde há maior número de casos e mortes, são os indígenas com menos recursos externos para enfrentar a pandemia.

Também há falta de médicos para atender aos indígenas e de medicamentos, segundo Gilmar Adílio de Oliveira, do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) Norte 2, Diocese de Marabá. Mesma reclamação feita pelo cacique Mairá Suruí.

Crédito, Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará

Os indígenas estão focados no tratamento dos doentes, enquanto isso os roçados não produzem o suficiente para alimentar a todos, principalmente aos idosos e crianças

Diante destas ameaças, do subdimensionamento da equipe médica da Sesai e da falta de infraestrutura do sistema público de saúde na região, bem como diante da situação emergencial de fome em algumas comunidades indígenas, foi solicitada intervenção por parte do poder público.

Há uma série de reivindicações enviadas no início de junho através de ofício ao governo do Pará. Eles pedem envio de equipe médica e enfermeiros especializados, testagem em toda população, implantação de infraestrutura adequada ao atendimento de baixa, média e alta complexidade, alimentos e itens de higiene, entre outras coisas.

Читайте также:
Апистограмма виета (apistogramma viejita): описание и фото

Paralelo às ações junto ao poder público, estão sendo realizadas nas cidades da região do Araguaia campanhas para arrecadação de recursos e produção de remédio a partir de plantas medicinais para fortalecer a imunidade dos povos indígenas.

A Rede de Apoio aos Povos Indígenas do Sudeste do Pará mantém um perfil nas redes sociais onde faz a divulgação constante de dados sobre os casos entre os povos da região e campanhas de doação criadas pelos próprios indígenas.

As perdas mais recentes entre os povos indígenas do sudeste do Pará ocorreram na tarde do 18 de junho, com o falecimento do guerreiro Api Suruí Aikewara, aos 63 anos de idade.

No dia anterior houve o registro da morte de Paulinho Paiakan, aos 68 anos. Antes, no dia 14 de junho, a vítima fatal foi o pajé Arikassu Suruí, aos 70 anos. Outra vítima fatal da “doença maldita” é o guerreiro Warini Suruí, que morreu no último dia 4, aos 85 anos.

Na mesma semana, segundo Francivaldo Suruí de Freitas, outras quatro pessoas foram diagnosticadas com a covid-19.

Dentro da aldeia, outras três dezenas de indígenas, sendo idosos, mulheres, crianças e adolescente, apresentam os sintomas da doença, disse Francivaldo.

Segundo o Cimi, entre as quatro pessoas diagnosticadas no dia 4 de junho com coronavírus, estava Arikassu Suruí, falecido no domingo passado.

Outro cacique, Mairá Suruí, também infectado, passa por tratamento em Marabá. O líder Api Suruí está internado na Casa de Saúde Indígena de Marabá. Mairá, que tenta se manter isolado, reclama da falta de estrutura local.

A Casa tem apenas seis quartos pequenos para abrigar os doentes e pessoas que procuram assistência. Os indígenas ficam amontoados nos quartos.

Remédios caseiros, pajelança e pedidos de socorro

Os indígenas estão tomando remédios caseiros e apelam para a pajelança para driblar o vírus. Alguns apresentaram melhora, outros, mais debilitados e fracos, não.

Integrantes da comunidade apelam para pedidos de socorro e ajuda pelas redes sociais.

“Tudo bem. Foi inaugurado hospital de campanha para o povo indígena da região de Marabá. Agora precisamos de apoio também dos municípios, como as prefeituras. A TI Sororó está interligando entre as 4 cidades, ou seja, Brejo Grande, São Domingos, São Geraldo do Araguaia e Marabá”, escreveram desesperadamente apelo nas redes sociais os jovens Mairá Filho Suruí e Moró Suruí.

“O que eu quero dizer dentre esses municípios deveriam entrar em parceria com outros. Quem tá sofrendo é a nossa comunidade aonde nosso povo Aikewara vem sofrendo com esse vírus que entrou até as aldeias, são sete aldeias dentro da terra indígena Sororó. Por isso venho pede aos representante das prefeituras municipais que entra com providência o mais rápido possível para combater o vírus dentro da aldeia (Sic). Peço ajuda para compartilha e chegar até eles, por favor.”

“Estamos acionando todas as instâncias possíveis, inclusive o Ministério Público, além do governo do Estado para ajudar na identificação dos infectados, no tratamento dos doentes e na alimentação das famílias”, explica Airton dos Reis Pereira, da Unifesspa.

Lideranças da Terra Indígena Sororó, no sudeste do Pará bloquearam parcialmente na tarde de segunda-feira, dia 22 de junho, parte da BR- 153, rodovia Belém-Brasília, para protestar contra a falta de estrutura para tratar os cerca de 640 indígenas contaminados por coronavírus e evitar mais mortes. “Só prometem e não fazem nada”, diz Arukapé, da Aldeia Tukapehy.

Os indígenas querem a presença do coordenador Distrital de Saúde Indígena Goto Tocantins, Stanney Everton Nunes, e um representante da Funai para que seja colocado em prática um plano emergencial para evitar a propagação da doença. A DSEI regional não respondeu aos pedidos de entrevista da reportagem.

“Até o presente momento não há um plano emergencial capaz de conter o avanço da doença nas aldeias. Já levamos essa reivindicação, junto com outros pedidos urgentes para o Ministério Público, pedindo que os promotores intercedam junto ao Estado e governo federal. Precisamos evitar mais perdas de vida”, diz Gilmar, Adílio de Oliveira, do Cimi Norte 2, Diocese de Marabá.

Crédito, Rede de Apoio Mútuo Indígena do Sudeste do Pará

Asurini do Tocantins

David J Phillips

Autodenominação: Akuáwa, mas nas últimas décadas o nome começou a ter o sentido de ‘índios do mato’ ou ‘índios bravos’, por isso o povo aceitam Asurini como sua autodenominação. O nome Asurini vem da língua Juruna e é utilizado para nomear diversos grupos Tupi da região do Tocantins. O SPI o empregou para este povo da década 50 do século XX (Andrade 1999).

Outros Nomes: Asurine do Tocantins, Assurini, Assurini do Trocará, Akuáwa, Assuriní (DAI/AMTB 2010), Akwaya (SIL).

População: 384 (DAI-AMTB 2010), 300 (ISA 2001), 466 (FUNASA 2010).

Localização: em duas Terras Indígenas:

  • Terra Indígena Pacajá ainda em identificação em 2011, no rio Trocará, afluente do rio Tocantins, perto de Tucurui, Pará.
  • T I Trocará, homologada e registrada no CRI e SPU, de 21.722 ha 20km ao norte de Tucuri, na margem esquerda do rio Tocantes e cortada pela estrada PA -156 indo para Cametá com 542 Asurini (SIASI 2013).
Читайте также:
Апистограмма паусисквамис (apistogramma paucisquamis): описание и фото

Língua: Asurini da família linguística Tupi-Guarani, subgrupo IV. Os dialetos são do subgrupo Akwáwa que inclui Parakanã e Surui do Pará (SIL). Número da língua é [asu] diferente de Assurini do Xingu [asn]. Estão se adaptando ao português. Alfabetismos menos que 1% e menos que 55% em português. Gramática e dicionário e porções bíblicas produzidos em 1973 (SIL). Conforme Harrison (SIL) existem várias dialetas entre as línguas dos Asurini do Xingu e dos Asurini do Tocantins. Os Asurini do Xingu continuem a falar sua língua e demoram a adotaram o português, enquanto os do Tocantins já falaram português por volta de 1970 (Andrade 1999).

História:
Os Asurini contam que eram um só povo com os Parakanã no Xingu. No princípio do século XX um grupo mudaram-se para leste para viver nas região das cabeceiras do rio Pacajá, foz perto de Portel, PA e nas florestas entre o Pacajá e o rio Tocantins. Mudaram-se depois para o rio Trocará. A região no Tocantins entre Tucuruí e Marabá desenvolveu na exportação das castanhas do Pará na década 20 e o conflito começou entre os índios e os regionais.

A ideia de construir uma estrada de ferro que contornasse as corredeiras e baixos do rio Tocantins era de 1869, mas foi construída entre 1908 e 1916 com 82 km de trilhos. Recomeçou a construção entre 1939 e 1944 com um total de 118 km. de Tucuruí (Alcobaça) a Jatobal. Durante o tempo da ferrovia houve muitos ataques e contra-ataques. Os Asurini atacaram e sofreram represálias pelos operários (Hemming 2003.721). Em 1945 o diretor montou uma expedição armada contra os Asurini, mas os índios escaparam. O SPI abriu um processo contra o diretor, mas a denuncia foi considerada improcedente pelo juiz de direito de Cametá. As turmas da estrada só trabalharam sob a proteção de guardas armados (Andrade 1999). A ferrovia foi substituída por uma rodovia em 1974.

O sertanista Telésforo Martins Fontes do SPI estabeleceu um ponto de atração e teve sucesso quando um grupo de 190 Asurini, ameaçado pelos Parakanã, foram viver ao lado do Posto. Mas doenças e uma tentativa de um agente do SPI de escravizá-los reduziram a população a 35 em 1962. Um grupo saiu na direção do rio Xingu e sua antiga terra (Hemming 2003.271). Mas um grupo moraram em Trocará desde 1953 e pela intervenção de Nicholson e Aberdour do SIL outro grupo veio do Pacajá em 1973 para morar no Trocará (Andrade 1999).

Eles cresceram em números com a proteção da Parque Indígena Trocará; a população subiu a 233 em 1995 (Hemming 2003.721). Mas a estrada PA-156 entre Cametá e Tucuruí foi cortada através o centro da terra e fazendas de gado foram estabelecidas em todos os lados. A caça é difícil encontrar devido ao desmatamento ao redor da T. I. A aldeia e o Posto da FUNAI ficam no lado leste entre a estrada e o rio Tocantins. A barragem Tucuruí está ameaçando o meio ambiente dos índios, aumentando a população não indígena da região com um crescimento anual de 22.7% (Andrade 1999). A maior problema de saúde é a malária, vindo a população ao redor (Andrade 1999).

Hoje as cachoeiras do Tocantins são cobertas pelas águas da represa de Tucuruí que têm um comprimento de 200km. O rio perdeu as espécies de peixes adaptados às corredeiras ou que migravam ao longo do rio. Em Tucuruí não foi construída nenhuma escada para peixes. Os Gavião e os Asurini não receberam indenização alguma, mas uma indenização pela PR-156 foi recebida.

O Projeto Grande Carajás, que é um programa de exploração mineira metalúrgica, trouxe uma segunda ferrovia, a Estrada de Ferro Carajás, do Companhia Vale do Rio Doce, que é de 892 km e aberta em 1985. Ela carrega minério da Serra Carajás para Porto do Itaqui, São Luís, MA. As locomotivas usam combustível biodiesel vegetal, diminuindo a emissão de CO2. Passageiros viajam no trem até Marabá onde a estrada atravessa o Tocantins, 200 km rio acima da T I Trocará (Andrade 1999).

Estilo da Vida:
As aldeias dos Asurini em 2010 são Trocará, Ororitawa e Oimotawara. A aldeia de Trocará as casas estão situada aos lados do caminho que vai do Posto até a casa de farinha. Não existe um pátio ou casa dos homens ou um chefe de aldeia. Cada grupo de casas têm um pátio na frente. As casas são de forma regional, de sala, quarto e cozinha nos fundos, e construídas pelos homens, com paredes e assoalhos de madeira de paxiúba e um telhado de palha de ubim. A cozinha têm um fogão e um jirau para tratar a carne de caça, preparar a comida e lavar a louça. Algumas casas têm fogão a gás e televisão. Cada casa utiliza também um ponto no curso dos igarapés próximos para tirar água, lavar roupa e tomar banho. No terreno entre as casas e as margens dos igarapés cultivam jardins de milho, cará, batata, banana e abacaxi (Andrade 1999).

A casa da farinha, construída pela FUNAI, contem o ralador, os tipitis e os fornos para torrar a farinha. Esta casa é especialmente para a produção da farinha destinada ao comércio. Antigamente cada família tinha seu próprio lugar por isso e algumas ainda o têm. Antes de contato a mandioca brava era o alimento principal.

Читайте также:
Апистограмма трехполосая (apistogramma trifasciata): описание и фото

A casa cerimonial (Tekataua) tem sua frente voltada ao leste, considerado o local do Espírito Onça. É utilizado somente para as cerimonias rituais e não para reuniões sociais e políticas.

Os Asurini caçam anta, veado, caititu, macaco, cotia, paca, tatu e diversas aves. Caçam com dificuldade e somente à noite com espingardas e lanterna, e por isso muitas vezes não têm carne para comer. Pescam parece estar sendo afetada pelo prejuízo ecológico da região. Pescam com anzóis, tarrafas e malhadeiras no rio Trocará. Durante o tempo da águas baixas, julho e agosto, as famílias passam tempo acampadas para pescar nos rios mais distantes da Terra Indígena. A estação das chuvas é o tempo para coletar açaí, bacuri e castanha do Pará e algum produto é vendido em Tucuruí.

Sociedade:
Antigamente os Asurini viviam em grupos pequenos sob a liderança de um pajé. Contato entre os grupos era por casamentos e rituais. Casamento era entre primos cruzados e era monogâmico. Mas este sistema foi interrompido e hoje o casal mora com a família da mulher até pode estabelecer uma casa própria. Os grupos residenciais podem recompor quando os sogros morrem e os irmãos querem formar um novo grupo (Andrade 1999).

Nas aldeias as casas são organizadas em grupos residenciais com uma família extensa uxorilocal, um casal mais velho, os filhos e as filhas solteiros e as filhas casadas com os genros. Cada grupos residencial forma uma unidade social e econômica com convivência, cooperação e troca de alimento. Nas roças as plantações das famílias nucleares são ligadas conforme seu grupo residencial. Cada grupo funciona como fosse uma aldeia própria, e os genros têm obrigação para cooperar com o sogro. Existe também uma roça comunitária da FUNAI plantada com mandioca, cacau e arroz destinados ao comércio. Os grupos residenciais se reúnem para as cerimonias rituais (Andrade 1999).

Artesanato:

Religião:
As crianças são concebida como o resultado da relação sexual entre a mãe e o herói mítico Mahira durante o sonho, as relações com o pai, e outros homens, só fazem o feto crescer. Os homens não podem ter contato com o sangue do parto, e a placenta e o cordão umbilical são enterrados para que nenhum animal os coma, que faria mal para o recém-nascido. Os pais observam um resguardo com tabus alimentares até o umbigo da criança caia. O bebe é pintado com jenipapo para que cresça rapidamente. O seu pai deve cantar para a criança todo dia. Os nomes são de um aspecto da natureza previamente de um antepassado morto. Um segundo nome era dado quando o lábio inferior era furado, isso não é praticado hoje (Andrade 1999).

Os cerimônias rituais dão a formação biológica e social ao homem e por isso todos devem entender o xamanismo e todo homem é um pouco pajé. A iniciação do pajé é através das festa do tabaco e ele percorre, em sonhos, um caminho de muitos perigos até chegar na presença de Sawara, o espírito onça, e dele recebe o poder de curar. Há doenças por contato com o sobrenatural tratadas pelo pajé e outras que são dos brancos e cristãos que precisa uma visita a enfermaria. Os Asurini têm muitas receitas da plantas para a malária, feridas e picada de cobra, etc.

Cosmovisão:
Os Asurini creem que a primeira criação foi destruída por um dilúvio, quando a terra ‘ficou mole’, e um homem sobreviveu por subir no alto de uma bacabeira. Então o herói Mahira, que chamou a anta para que endurecesse a superfície da terra. Mahira tirou sua própria costela, e dela fez uma mulher e assim começou a população da humanidade. Sua filha não ficava casada por muito tempo por que Mahira se aborreceu com os genros e os transformou em animais. Mahira deu conhecimento cultural de cultivar a mandioca e fazer a música. Depois algum tempo Mahira mudou-se da aldeia dos homens, porque planejaram o matar e ele voltou para o céu. Agora ele mora num lugar chamado Tupana, para onde os mortos vão. Os mortos seguem uma vida semelhante a vida terrestre. De lá Mahira cuida de todos como criador e dá a vida de cada Asurini. Então os Asurini creem que o ciclo da vida começa por Mahira e volta a ele (Andrade 1999).

Há a outra esfera sobrenatural de Sawara (o espírito onça) que remete o xamanismo. Os Takwitimasa são espíritos que vivem na mata e jogam doenças ou Karowara nos homens, especialmente quando os últimos maltratam os animais. Os pajés retiram os Karowara dos homens, pelo contra Karowara que Sawara os dá (Andrade 1999).

Comentário: Carl Harrison, Robin Selly nos anos 60 e mais tarde Velda Nicholson, Catherine Aberdour a Annette Tomkins do SIL analisaram a língua Asurini.

Carapanã no Ar XIII

Guajará
from Belém-Pa

Guajará
from Belém-Pa

Capa dos jornais – 07 de Setembro de 2011.

Guajará
from Belém-Pa

Guajará
from Belém-Pa

jornal O Liberal 07/09/2011 Reporter 70.

Читайте также:
Апистограмма тукуруи (apistogramma tucurui): описание и фото

– Além da ferrovia Cuiabá-Santarém, tem a norte-sul de Açailândia-Belém-Barcarena.

– Altamira é contra a separação do estado.

– o Pórtico não era pra este mês? agora já é Outubro? /espanto.

Guajará
from Belém-Pa

luiz belenense
Terra de ricas florestas

Situação do mercado em Belém (PA) divide opinião de hoteleiros

Diferentes opiniões e visões do mercado, contudo todas a favor da melhoria no incentivo do setor público. É assim que os hoteleiros da capital do Pará, Belém, acreditam no setor local atualmente.

Segundo João Cavalcanti, gerente geral do Gran Solare Connext, a cidade pode ainda receber mais investimentos hoteleiros. “Belém opera em determinados dias da semana a 100%. Nosso principal problema na ocupacão continua sendo os finais de semana, quando a cidade esvazia”, diz o executivo.

O gerente acredita que a melhor medida a ser tomada é o incentivo público. “A prefeitura deveria incentivar o turismo e divulgar ao País os atrativos locais”. Cavalcanti afirma que, se os índices ocupacionais de lazer subirem, a hotelaria local atingirá taxas semelhantes às de outras capitais, com números acima dos 80% – o índice atual está na casa dos 65%.

Para Fernando Bacalá, gerente de Vendas do Hilton Belém, o problema não é a oferta de hotéis. Na opinião do hoteleiro, a cidade não precisa de novos empreendimentos – e sim de uma reestruturação dos que já existem. “Os hotéis têm novos concorrentes, novas redes chegando. Precisam se preocupar com qualidade, com a estrutura que já tem a oferecer”, afirma.

Assim como Cavalcanti, Bacalá defende a importância do envolvimento dos órgãos públicos para a região. “O governo não dá o devido valor ao turismo aqui no Pará. Todo mundo pensa em Manaus e em outras regiões como pontos turísticos, por isto hoje nossa demanda é totalmente corporativa. A prefeitura e os órgãos envolvidos deveriam se unir para melhorar a situação e incentivar”.

Outra leitura

Ariane Mathne, gerente geral do Crowne Plaza Belém, também é partidária do aumento na demanda turística. De acordo com ela, quatro novos hotéis que chegarão à cidade nos próximos doze meses já irão abalar os demais. “A hotelaria em Belém em geral tem uma ocupação mediana, o que não justificaria mais hotéis. O que precisa mudar definitivamente é a política pública, união de Prefeitura e Governo do Estado, para divulgação eficiente, conscientização do empresariado e qualificação da mão de obra local”, aponta.

Ariane diz que o melhor para a hotelaria local é ter um mix de segmentos de mercados: turismo, eventos, corporativo, cultural etc, para que um compense o outro durante os meses de baixa temporada.

O ovo ou a galinha?

Nos últimos anos, o Belém Convention & Visitors Bureau afirma que trabalhou em prol da infraestrutura para Belém do Pará, “principal centro de turismo da Amazônia”, como enfatiza Cezar Coimbra, diretor Executivo da entidade.

“A hotelaria de Belém do Pará e sua região metropolitana atendia basicamente o turismo de negócios. Buscando acompanhar esse crescimento, a hotelaria, nos últimos anos, praticamente reformulou todo o antigo parque existente, inclusive implantando espaços para eventos nesses equipamentos e, diga-se, com muito sucesso de ocupação”, garante. “Por outro lado, diversos novos equipamentos surgiram e estão sendo inaugurados, aproveitando o verdadeiro boom de realização de eventos na cidade. Desse modo, o que podemos afirmar é que não estamos mais tentando descobrir quem nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha (não existia turismo porque não contávamos com bons hotéis e não tínhamos hotéis porque não existia turista)”, completa.

Sobre as iniciativas do Poder Público, Coimbra menciona o fato de o atual processo de exploração de Belém como um novo point para eventos, tanto nacionais quanto internacionais. “O Poder Público começa a dar as mãos à iniciativa privada, buscando um crescimento ainda maior. Tal se deve devido a alguns predicados importantes que a cidade tem, como sua boa localização, infraestrutura de qualidade, atrações turísticas e de lazer diferenciadas que satisfazem o visitante, disponibilidade de bons prestadores de serviços para eventos, cultura diferenciada, gastronomia ímpar e, acima de tudo, a grande simpatia de seu povo miscigenado”.

O problema dessa baixa taxa de ocupação aos finais de semana é justamente por conta de ser um turismo de negócios. vislumbro que o nosso turismo tende a crescer, uma vez que o novo governo está disposto a alavancar esse setor tão importante para Belém e pro Pará.

Belém sempre foi conhecida como o principal pólo turistico da amazônia, nossos pontos turisticos sempre são lembrados.

Mas essa taxa de 65% está boa.. :cheers:

Guajará
from Belém-Pa

luiz belenense
Terra de ricas florestas

Muito bom ver o sonho do asfaltamento da 163 quase concluído e outro sonho, que começa agora, a Rota da Integração que vai ligar o Mato Grosso ao Pará através de uma Ferrovia. :cheers::cheers:

Maria do Carmo está muito feliz, dois governos de peso debruçados para realizar essa conquista.

Drigo CR

Pórtico será incluído na programação de peregrinação da santa

A Diretoria da Festa do Círio de Nazaré se reuniu com o prefeito de Belém, Duciomar Costa para discutir patrocínio e novas ações de parceria. A entrega do Projeto do Círio 2011 foi um dos momentos mais importantes da reunião, pois com ele a prefeitura poderá avaliar quanto de verba destinará este ano à festa. No ano passado R$ 2,5 milhões foram disponibilizados. “Viemos apresentar o projeto e fazer o pedido de participação da Prefeitura nesta festa religiosa. Sem este órgão, não temos condições de organizar uma festa como esta, sozinhos”, disse o arcebispo de Belém, dom Alberto Taveira Corrêa.

Читайте также:
Апистограмма борелли, рейтцига (apistogramma borelli): описание и фото

o diretor do Círio de Nazaré, Cézar Neves, informou que alguns novos projetos estão sendo discutidos. “Nós idealizamos a construção de uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré no Pórtico Metrópole. A ideia é que este local seja incluído na programação oficial de peregrinações do Círio”, lembrou. O diretor informa também que este ano espera o mesmo valor do ano passado ou mais para o patrocínio. “Todos os anos entregamos ao prefeito o nosso projeto e pedimos o apoio de suas secretarias, como a de Saúde (Sesma), de Urbanismo (Seurb), entre outras”.

Ele conta ainda que a cada ano a festa cresce mais. “Este ano a peregrinação da imagem da Santa chegou a outros Estados, como Bahia e Rio de Janeiro. Na próxima semana estamos indo a Brasílica, visitar a Câmara, levando conosco um pouco de nossa fé com uma exposição de mantos”, completou.

Após a reunião Duciomar Costa agradeceu a visita e aproveitou para anunciar a sua programação municipal.Estou preparando para inaugurar o Pórtico Metrópole com a passagem da Santa”, anunciou. Na ocasião o prefeito recebeu um cartaz e um banner do Círio 2011, além de um DVD com um documentário sobre a procissão. Duciomar também ganhou uma imagem da Santa, que foi abençoada por dom Alberto Taveira para ficar em seu gabinete.

Guajará
from Belém-Pa

luiz belenense
Terra de ricas florestas

No escritório, ao lado de um minijardim que já abriga 100 mudas de orquídeas, o ex-governador Almir Gabriel faz anotações no documento que poderá se tornar seu programa de governo para a Prefeitura de Belém. Deixa escapar que já listou mais de 40 obras que os gestores deveriam pensar para a capital paraense, mas prefere manter sigilo para não alertar os possíveis adversários.

“Eu estou no limiar de poder ser ou não candidato”, admitiu, quase no final de uma entrevista que durou uma hora e meia. Durante a conversa, Almir Gabriel evita confirmar as negociações em torno de um possível acordo com o atual prefeito de Belém, Duciomar Costa, para ser lançado como candidato da situação na disputa do ano que vem.

Em nenhum momento, contudo, descarta a candidatura e revela que aos 79 anos está preparado para mais uma batalha eleitoral. “Eu não vou empurrar carrinho de mão, não vou puxar carroça. Não cogitaria a possibilidade caso não tivesse condições físicas para (ser prefeito). Agora não é a mesma coisa que seria se eu tivesse 50 anos”, diz, ao ser indagado se ainda teria fôlego para a campanha e a administração da cidade.

Há um mês, Almir deixou o apartamento onde morava, no centro de Belém, e se mudou para uma casa em um condomínio fechado. Ganhou espaço para retomar a coleção de orquídeas que chegou a mil mudas, mas acabou se perdendo.

O novo escritório é decorado com fotos antigas da cidade (presente do ex-deputado Vic Pires Franco) e com pinturas do artista plástico Antar Rohit, pinturas sobre seda que mostram o Bar do Parque, o Teatro da Paz e a Cidade Velha, ícones da capital paraense.

É nesse cenário que Almir tem trabalhado no programa e recebido lideranças políticas que se movem nos bastidores buscando costurar o que seria uma inusitada candidatura à Prefeitura de Belém. Embora negue o tempo todo que já se considere candidato, o discurso não deixa dúvidas sobre o desejo que tem alimentado. Almir diz que a capital precisa de um prefeito “honesto e trabalhador”, mas se recusa a dar pistas sobre as anotações e as obras que gostaria de propor. “Tu já queres que eu dê o programa? (risos)”.

GESTÃO

Segundo o ex-governador, o próximo prefeito de Belém deve ter “experiência e estofo para pensar o que fazer”. “A cidade não apenas está pedindo, está exigindo uma mudança de conceito de gestão. A população mais pobre e necessitada tem possibilidades reais de ter um presente e um futuro melhores. Enfim, acho que seria bonito um bom prefeito para Belém”. A consagração da candidatura, porém, ainda dependeria de aval da família e do povo.

Almir Gabriel confirma que nos últimos dois meses teve conversas com Duciomar Costa. A primeira foi ainda no apartamento onde morava antes da mudança.

O prefeito o teria procurado com o pretexto de agradecer conselhos dados por ele a Duciomar, há cerca de quatro anos, durante um jantar em Brasília. Depois houve contato por telefone, mas as conversas não teriam avançado para uma possível filiação ao PTB, partido de Duciomar.

O prefeito teria admitido, contudo, estar preocupado com a sucessão e comentado que estaria “na hora de Belém ter um prefeito diferente”.

Читайте также:
Апистограмма инирида (apistogramma iniridae): описание и фото

Discurso afinado com novo aliado

Desde que deixou o PSDB no ano passado, Almir Gabriel não se filiou a outra legenda. Embora uma decisão sobre candidaturas só deva ser tomada em junho do ano que vem, durante as convenções partidárias, o prazo para filiações e trocas de partido de quem deseja ser candidato termina dia 6 de outubro (um ano antes do pleito). Será um bom momento para avaliar os caminhos que o ex-governador e outros possíveis candidatos pretendem tomar.

“As pessoas estão vindo aqui comigo. Não sou eu que estou indo atrás. O Partido da Pátria Livre me quer, o Partido Social Democrático, o PPS me quer ou diz que me quer”.

Indagado se o PTB do prefeito Duciomar Costa seria uma alternativa, diz sentir um “desvelo muito grande” pela legenda que teve em Getúlio Vargas, o pai do trabalhismo brasileiro, a principal liderança. “É uma pena que algumas pessoas deturpem o discurso trabalhista, mas o discurso trabalhista é muito bom”.

Almir diz não se abalar com as críticas feitas à gestão de Duciomar Costa. “O julgamento que a imprensa faz dele é injusto. A maioria das pessoas quer um prefeito que asfalte a sua rua, que dê um jeito de pintar a sua casa. Não veem que o saneamento básico é importante. E o único prefeito que deu prosseguimento para valer do saneamento que começamos com a bacia do Una foi o Duciomar”, afirma.

“Outra coisa, Belém tem aproximadamente três mil vias, ele asfaltou duas mil”, diz, usando um dos motes da propaganda oficial da prefeitura na TV. “Eu discordo da forma como fazer (o asfaltamento) e do material utilizado, mas não dá para dizer que ele não ligou para o pessoal que mora numa rua pequenina. Ele está dando atenção”.

Indagado se não se preocupa com as denúncias de corrupção feitas contra a atual administração municipal, diz acreditar que às vezes, pode ser mais má gestão que corrupção. “Às vezes o dinheiro vem para comprar carro e o cidadão compra vacina. Não é que vacina não seja importante, mas o que estava estabelecido no convênio? Para mim, o mais importante é a visão de presente e do futuro que tem um gestor”.

Transbordando de entusiasmo com a possibilidade de vir a ser candidato, Almir não se irrita nem mesmo ao ser indagado se não teme ficar com fama de pé-frio, já que os dois últimos candidatos que apoiou (Ana Júlia do PT e Domingos Juvenil do PMDB) foram derrotados. “Como é que é? Pé-frio? Fui eleito senador da República com mais votos que Jarbas Passarinho. Fui eleito governador do Estado duas vezes. Elegi meu sucessor. Fiz vários senadores. Lembra do senador do governador? (refere-se ao ex-senador Luiz Otávio Campos que no programa eleitoral era apresentado como o senador do então governador Almir Gabriel). Como é que sou pé-frio? Política se faz com derrota e vitória. Isso é normal. Me indica uma atividade que na vida só se faça com vitória”.

NÃO “seria bonito” um bom prefeito para Belém. é NECESSÁRIO e o mínimo que se espera do representante.

Апистограмма ассурини (apistogramma sp. «assurini»): описание и фото

Exibindo todos 6 resultados

Camiseta Eu Quero Mais – Ao Redor do Fogo

Camiseta Eu Quero Mais – Barraca e Fogueira!

Camiseta Eu Quero Mais – Caminhando

Camiseta Eu Quero Mais – Fogueira

Camiseta Eu Quero Mais – Luar

Camiseta Oficial GEJA (Amarela)

Opções

Comece a escrever e pressione Enter para pesquisar

Acessar

Tropa Sênior Yucumã​ (TSY)

HISTÓRIA

O Ramo Sênior era dividido em duas tropas: a Tropa Feminina de Guias (com as patrulhas Jaminawá, Suya e Apinaje) e a Tropa Masculina Sênior (com as patrulhas Guarani, Assurini e Potiguara).

A Tropa de Guias foi formada pela Chefe Dorinha, que veio do Grupo Escoteiro Salgado Filho e recebeu algumas escoteiras vindas da Tropa Escoteira – Heloisa, Gabriela, Cristiane Roos, Cristiane Mandela, Patrícia, Adriana Chaves, Juliana, Rilvania e Leila. Os primeiros membros da Tropa Sênior foram Ezequiel e Ivan.

As seções foram unificadas em 1996, transformando-se na Tropa Sênior Mista. Nessa época, André Luiz S. de Andrade era o presidente da Corte de Honra. Além da Chefe Dorinha, também atuaram com escotistas o Chefe Seabra e a Chefe Sofia.

Em 2021, com o crescimento do grupo, foi fundada a Tropa Sênior Yucumã, sob a chefia de Átila, Laudineia e Marcos.

Clã Pioneiro Piocãmecrã​ (PIO)

HISTÓRIA

A primeira tentativa de formar um Clã Pioneiro no GEJA foi em 1986. Era um projeto que tinha como objetivo principal não perder os Sêniores e as Guias que, ao sair do grupo, se distanciavam do movimento escoteiro. Além disso, a ideia também era formar uma plataforma de formação dos futuros chefes – uma proposta bem simples, mas uma possível solução na época. Infelizmente, não deu certo, já que este não era um verdadeiro Clã e sim um atrativo para formar chefes.

Em 1988/1989 a ideia de montar um Clã foi retomada. O projeto era mais maduro, porém faltou apoio intelectual e institucional da UEB. Também não vingou, mas a vontade de se ter um Clã no GEJA foi despertada. Em 1991, o Chefe Willer sondava um escotista com larga experiência no escotismo mundial: era uma pessoa extremamente culta, holística, “cidadã do mundo” e com forte personalidade. Tratava-se da Chefe Roseana Aben-Athar Kipman, esposa de Igor Kipman. Depois de contatos e negociações, Roseana ingressou no GEJA com a missão de analisar o contexto e fundar o Clã Pioneiro. No primeiro semestre de 1992, finalmente, o Clã foi de fato fundado. Os primeiros membros foram Adriana Chaves, Eloisa Guimarães, Gabriela Passos, Luciano e Augusto Willer.

Читайте также:
Апистограмма норберти (apistogramma norberti): описание и фото

Roseana instituiu um conjunto de rituais e cerimônias que muito marcaram os jovens da época. A maior parte era baseada na história dos cavaleiros da Távola Redonda e do Rei Arthur, como era comum naquele período. Roseana priorizava bem a ideia de coaching, focava na progressão dos jovens, trabalhava atividades de serviço à comunidade e no investimento do projeto pessoal dos pioneiros.

O Clã seguiu forte até 1997/1998, quando Roseana partiu em missão diplomática. Isso enfraqueceu os trabalhos, levando o GEJA a passar um longo período sem o ramo pioneiro. Em meados de 2013, o Chefe José Leite reabriu o Clã, que perdura até os dias atuais.

Grito do Clã

Força relevante na vontade de chegar,
amigos necessários para se realizar,
pioneiros na estrada o mundo a conquistar,
o Clã é união conhecendo a imensidão,
escotismo é a vida cheia de emoção.
Piocãmecrã, Piocãmecrã, GEJA!

Carta Pioneira

A Carta Pioneira é o regulamento do Clã. Nela estão estabelecidas as regras de funcionamento e conduta, a estrutura administrativa e os normas.
Clique aqui para abrir a Carta Pioneira do Piocãmecrã em uma nova janela.

Tropa Sênior Ibiajara​ (TSI)

HISTÓRIA

O Ramo Sênior era dividido em duas tropas: a Tropa Feminina de Guias (com as patrulhas Jaminawá, Suya e Apinaje) e a Tropa Masculina Sênior (com as patrulhas Guarani, Assurini e Potiguara).

A Tropa de Guias foi formada pela Chefe Dorinha, que veio do Grupo Escoteiro Salgado Filho e recebeu algumas escoteiras vindas da Tropa Escoteira – Heloisa, Gabriela, Cristiane Roos, Cristiane Mandela, Patrícia, Adriana Chaves, Juliana, Rilvania e Leila. Os primeiros membros da Tropa Sênior foram Ezequiel e Ivan.

As seções foram unificadas em 1996, transformando-se na Tropa Sênior Mista. Nessa época, André Luiz S. de Andrade era o presidente da Corte de Honra. Além da Chefe Dorinha, também atuaram com escotistas o Chefe Seabra e a Chefe Sofia.

Em 2016 a Tropa adotou o nome de Tropa Sênior Ibiajara, que significa “Senhor do Planalto”.

Tropa Escoteira Andrômeda (TEA)

HISTÓRIA

Fundada em 2018, a Tropa Escoteira Andrômeda é a seção mais nova do GEJA. Surgiu a partir da demanda gerada pelos Lobinhos em transição para o Ramo Escoteiro e por pessoas da comunidade interessadas em ingressar no Escotismo — como não havia vagas em nenhuma das outras tropas escoteiras, após reuniões com os pais dos interessados foi decidido pela abertura da nova seção.

Os nomes da tropa e das patrulhas foram escolhidos pelos próprios jovens, que também elaboraram o grito de tropa e, atualmente, estão trabalhando na bandeira da seção.

Tropa Escoteira Galápagos (TEG)

HISTÓRIA

Quando o GEJA foi fundado, as tropas escoteiras não eram mistas – havia a Tropa Masculina e a Tropa Feminina. A Tropa Masculina possuía as patrulhas Gaivota, Esquilo, Jaguar e Antílope, enquanto a Feminina tinha as patrulhas Raposa, Águia, Pantera e Castor. Havia também uma Patrulha Biguá, formada excepcionalmente para atividades de graduados. As tropas tornaram-se mistas em 1996, quando a diretoria e as Chefes Leda e Ana Maria misturaram as Tropas Masculina e Feminina, criando a Tropa I com duas patrulhas (Coruja e Jaguar) e a Tropa II com outras duas patrulhas (Águia e Pantera).

Em 2013, por meio de votação, os escoteiros escolheram o novo nome da tropa, que passou a se chamar Tropa Escoteira Galápagos – nome escolhido por conta de um jogo que fez muito sucesso: “As Tartarugas Gigantes de Galápagos”. Depois desse jogo, os jovens sempre perguntavam: “mas isso é de Galápagos?”. Ser “de Galápagos” virou referência para algo muito legal – ou, como diria o Chefe Leo Alcides: super-pururuca!

Tropa Escoteira Cruzeiro do Sul (TECS)

HISTÓRIA

A Tropa Escoteira Cruzeiro do Sul (TECS), denominada antigamente como Tropa I, é derivada de duas tropas mais antigas conhecidas como Tropa Masculina (com as patrulhas Gaivota, Esquilo, Jaguar e Antílope) e Tropa Feminina (com as patrulhas Raposa, Águia, Pantera e Castor), fundadas ainda na primeira sede do GEJA, na Funcef (atual ENAP). Seus chefes eram Leda (Tropa Masculina) e Ana Maria (Tropa Feminina).

As tropas tornaram-se mistas em 1996, quando a diretoria e as Chefes Leda e Ana Maria misturaram as Tropas Masculina e Feminina, criando a Tropa I com duas patrulhas (Coruja e Jaguar) e a Tropa II com outras duas patrulhas (Águia e Pantera).

Ao longo dos anos, a tropa sempre foi conhecida como Tropa I, mas em 2013 o jovens fizeram uma votação e decidiram alterar o nome para Tropa Escoteira Cruzeiro do Sul.

Alcateia Uivos do Cerrado (AUC)

HISTÓRIA

A Alcateia Uivos do Cerrado – AUC teve sua primeira reunião em 22 de agosto de 2015. A demanda por uma terceira alcateia já era antiga e um desejo dos escotistas e famílias do GEJA.

Читайте также:
Апистограмма двухполосая (apistogramma bitaeniata): описание и фото

Inicialmente, aceitaram serem escotistas e responsáveis pela AUC os chefes: Hugo Sales, na época o Diretor de Métodos Educativos, batizado como Hathi e dois pais de lobinhos: a chefe Sandra Gizelle, Bagheera e o chefe Caio Aguiar, o Baloo.

A Alcateia começou com três matilhas: preta, branca e marrom, totalizando 12 (doze) lobinhos. Em outubro de 2015, mais dois escotistas foram integrados a equipe: Augusto César Willer, que recebeu o nome de Kaa, e Emerson Willer, batizado de Rikki Tikki Tavi. Nesta mesma época foram integrados e promessados mais de 15 lobinhos, consolidando de fato a terceira alcateia do GEJA.

No fim de 2015 a AUC já contava com 18 jovens, realizando sua primeira Roca de Conselho em 14/11/2015, a qual decidiu o nome da alcateia, símbolo e bandeira. Em seu primeiro acantonamento, em 5 e 6 de março de 2016, no Campo Escola dos Escoteiros do DF, abriu-se mais uma matilha, cinza, e a seção já contava com com 22 lobinhos.

Nossa primeira Akela, chefe Gizelle, permaneceu na função até meados de 2016. Neste mesmo ano, a chefe Rilvânia tornou-se Baloo em março, com a saída do chefe Caio, mas teve que deixar o grupo em dezembro de 2016. O escotista Emerson assumiu como Akela da AUC em agosto de 2016 deixando a função em meados de 2019. Com isso, o escotista Augusto Willer tornou-se o líder da alcateia (Akela), permanecendo até os dias de hoje.

De 2018 a julho de 2020 estavam como escotistas da AUC: Antônio Mario (Bagheera), Augusto (Akela), Emerson (Kotick), Katiuse (Rikki Tikki Tavi), Martha (Baloo). Em março de 2020 assumiram Ewerton (Hathi) e Juliana (Kaa) integrando ao time. Com o licenciamento das chefes Martha e Katiuse em agosto, assumiu o chefe José Leite como o mais recente Baloo da AUC.

De 2015 a 2020, mais de 50 jovens já passaram pela alcateia e 11 lobinhos conquistaram o Cruzeiro do Sul, o grau máximo da progressão dos lobinhos!

Apesar da quarentena de 2020, a AUC continua com suas reuniões virtuais aos sábados às 16h e conta com 18 jovens em 4 matilhas: Branca, Cinza, Marrom e Preta. Esperamos voltar com nossos encontros na sede do GEJA em breve!

Апистограмма ассурини (apistogramma sp. «assurini»): описание и фото

Supporting and celebrating global linguistic diversity

Asuriní do Tocantins

под угрозой исчезновения

Языковые метаданные

Asuriní, Assuriní, Assuriní do Tocantins, Asuriní do Trocará, Akwaya, Akuawa, Parakaná, Asurí, Mudjetire, Suru do Tocantins, Asurini, Tocantins Asuriní, Assurini, Asuriní do Tocantins, Akwáwa, Asurini, Tocantins

Tupian, Tupi-Guaranian, Teneteharan

Классификация языковой информации в зависимости от источника

Информация из: “Language endangerment in South America: The clock is ticking” (167-234) . Crevels, Mily (2012) , Lyle Campbell and Veronica Grondona · Mouton de Gruyter

Под угрозой исчезновения
20 percent certain, based on the evidence available

ДАТА ПРЕДОСТАВЛЕНИЯ ИНФОРМАЦИИ 2006 ГЕОГРАФИЯ Brazil

Информация из: “World Oral Literature Project” .

Под угрозой исчезновения
20 percent certain, based on the evidence available

Информация из: “South America” (103-196) . Mily Crevels (2007) , C. Moseley · London & New York: Routledge

Под угрозой исчезновения
40 percent certain, based on the evidence available

Most children use exclusively Portuguese.

ГЕОГРАФИЯ Brazil: Para State ОПИСАНИЕ РЕГИОНА

Municipality of Tucurui, Terra Indigena Trocara

Информация из: “Ethnologue: Languages of the World, 16th Edition (2009)” . M. Paul Lewis · SIL International

Под угрозой исчезновения
20 percent certain, based on the evidence available

300 (2001 ISA); ethnic population: 300 (Moore 2006) (2013).

ГЕОГРАФИЯ Brazil; ОПИСАНИЕ РЕГИОНА

Pará, on the Tocantins River, Trocará near Tucurui.

Обсуждение

Информация из: “Ethnologue: Languages of the World, 16th Edition (2009)” . M. Paul Lewis · SIL International

If you have feedback about the Endangered Languages project website, please email us.

Предложите сведения или исправления
Загрузить данные о языке
Источники информации

Сравните источники
  • Источник
  • Носители
  • жизнеспособность
  • Контекст использования
  • местоположение
Isbn Series Month Edition Num Year Title Booktitle Pages Note Editor Howpublished Publisher Journal Volume Address Institution Chapter Translator School Url Author Free Text Citation Copied From Older Adults Ethnic Population Young Adults Private Comment Speaker Number Text Date Of Info Speaker Number Public Comment Semi Speakers Elders Second Language Speakers Domains Other Langs Other Languages Used Private Comment Government Support Speaker Attitude Public Comment Institutional Support Number Speaker Other Languages Endangerment Level Transmission Private Comment Public Comment Domains Of Use Speaker Number Trends Private Comment Public Comment Places Description Coordinates

ИСТОЧНИК: “South America” (103-196) . Mily Crevels (2007) , C. Moseley · London & New York: Routledge

ИСТОЧНИК: “Language endangerment in South America: The clock is ticking” (167-234) . Crevels, Mily (2012) , Lyle Campbell and Veronica Grondona · Mouton de Gruyter

Рейтинг
( Пока оценок нет )
Понравилась статья? Поделиться с друзьями:
Добавить комментарий

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: